Serviços Globais de Projeto

×

Cookies

Ao navegar no nosso site estará a consentir a utilização de cookies para obter uma melhor experiência de utilização. Conheça mais sobre a nossa Política de Privacidade.

Notícias

22 de dezembro de 2014

Os Programas Operacionais para as regiões portuguesas para o período 2014-2020 foram aprovados pela Comissão Europeia, sendo o orçamento total quase 12,2 mil milhões de euros, dos quais cerca de 9,74 milhões são provenientes do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e do Fundo Social Europeu (FSE).
Todas as regiões portuguesas irão utilizar os investimentos para melhorar as suas capacidades de investigação e inovação, incluindo a expansão das atividades de investigação das suas pequenas e médias empresas (PME). O referido financiamento irá apoiar estas empresas a tornarem-se mais competitivas e a expandirem-se para os mercados mundiais.
Estes programas preveem medidas específicas que irão permitir que as regiões portuguesas possam ajudar a Europa a cumprir o seu objetivo para uma economia assente num baixo nível de emissões de carbono, através de uma maior utilização da energia proveniente de fontes renováveis e da melhoria do desempenho e da eficiência energética nos ambientes construídos.
Foram adotados os seguintes programas operacionais regionais, com vários impactos esperados, incluindo:
Alentejo: (no valor de 1,3 mil milhões de euros, dos quais 898 milhões do FEDER e 185 milhões do FSE) Este montante destina-se a prestar apoio a 5 000 PME através de subvenções ou outras formas de apoio reembolsáveis e criar milhares de postos de trabalho. Irá igualmente reforçar a capacidade de acolhimento de crianças ou infraestruturas de educação para cerca de mais 5 000 crianças. Algarve: (447,6 milhões de euros, dos quais 319 milhões provenientes da UE) A verba irá criar alguns milhares de postos de trabalho, reabilitar 70 000 m² de espaços públicos nas cidades e apoiar 6 250 candidatos a emprego a encontrar trabalho. Mais de 36 000 desempregados (incluindo de longa duração) irão igualmente ter acesso a formação e mais de 28 000 beneficiarão de formação em contexto de trabalho.
Açores: (1,4 mil milhões de euros dos quais 1,1 mil milhões da UE) O investimento nesta região autónoma irá financiar 325 novas PME e apoiar 720 existentes; procurará reduzir as emissões de CO2 em 47 435 toneladas e criar novos postos de trabalho.
Centro: (2,6 mil milhões de euros, dos quais 2,2 mil milhões de contribuição da UE) Este montante irá ajudar 3 280 PME a obter apoio financeiro e aceder a novos mercados e atividades de inovação; criará novos empregos e aumentará para 85% a percentagem de PME envolvidas em atividades de inovação.
Lisboa: (1,85 mil milhões de euros, dos quais 623 milhões do FEDER e 211 milhões do FSE) A verba irá aumentar a capacidade de acolhimento de crianças ou infraestruturas de educação em 15,3%; permitirá que 55% da população seja abrangida por melhores serviços de saúde e melhorará a classificação energética de 96% das habitações sociais.
Madeira: (403 milhões de euros, dos quais 274 milhões do FEDER e 129 milhões do FSE) Esta região autónoma deverá beneficiar da criação de 120 novas PME e investimentos em 326 já existentes; prevê-se uma redução anual das emissões de CO2 de 3 345 toneladas e um aumento superior a 25% da ocupação do alojamento turístico e hoteleiro.
Norte: (4,2 mil milhões de euros, dos quais 3,8 mil milhões da UE) Destinam-se a apoiar mais 60% das PME a envolverem-se em atividades de inovação impulsionando a sua competitividade; cerca de 92% dos alunos da região irão beneficiar de escolas primárias e secundárias melhoradas e 4 600 PME irão beneficiar de apoio financeiro, internacionalização e iniciativas de inovação; espera-se que milhares de empregos diretos venham a ser criados.
Um Programa de Assistência Técnica nacional (no valor de cerca de 168 milhões de EUR, dos quais 138 milhões do FEDER) complementa os programas regionais, garantindo a coerência da sua coordenação, gestão, acompanhamento e auditoria. O PO tem por objetivo reduzir para 10 dias o tempo médio de reembolso dos beneficiários e aumentar o interesse dos cidadãos em questões relacionadas com os FEIE (Fundos Estruturais e de Investimento Europeus).
Para mais informações sobre os Programas Operacionais e as oportunidades de financiamento no âmbito do Portugal 2020, conctacte a Galbilec!


« OUTRAS NOTÍCIAS

Destaques

"Ao fim de algum tempo de utilização, conseguimos perceber as vantagens significativas desta metodologia nos serviços 360"

A convite da Revista Ponto de Vista, distribuída com o jornal Público, a Galbilec foi convidada a participar num especial sobre “Digital Construction & BIM”, um modelo que revolucionou o setor da construção.

LER MAIS

Há que valorizar os edifícos e adequar as infraestruturas

A convite da revista EXAME, Pedro Serra, Diretor executivo da Galbilec, falou sobre o percurso da empresa, cujo o maior desafio é sempre “corresponder às expectativas dos clientes privados e das instituições públicas.”

LER MAIS